Ministério Público do Trabalho orienta que empresas garantam home office a gestantes durante a pandemia

Em nota técnica divulgada recentemente, o (MPT) Ministério Público do Trabalho recomendou a empresas, sindicatos e órgãos da administração pública a adoção diretrizes para garantir a proteção de trabalhadoras gestantes na segunda onda da pandemia do coronavírus.

O MPT levou em consideração as pesquisas que apontam que os sintomas da COVID-19 durante a gravidez podem durar muito tempo e, por isso, é recomendável afastar as gestantes dos locais de trabalho que representem risco de contaminação, com preservação da remuneração.

A nota técnica 01/2021 contém sete medidas de proteção às gestantes, dentre elas:

  • Retirar da organização das escalas de trabalho presencial as trabalhadoras gestantes;
  • Garantir, sempre que possível, às trabalhadoras gestantes, o direito a realizar as suas atividades laborais de modo remoto;
  • Garantir que trabalhadoras gestantes sejam dispensadas do comparecimento ao local de trabalho;
  • Garantir às trabalhadoras gestantes que, na impossibilidade da execução das funções na modalidade à distância, sucessivamente, seja adotado plano de contingenciamento;
  • Aceitar o afastamento de gestantes mediante atestado médico que ateste a condição gravídica;
  • Observar que a ausência de condições pessoais, familiares, arquitetônicas da trabalhadora gestante para realizar suas atividades em home office ou sua dificuldade de adaptação à essa modalidade de prestação de serviço não configura hipótese de justa causa para a rescisão contratual;
  • Alertar que a dispensa de trabalhadoras gestantes nesse período de pandemia pode vir a configurar hipótese de dispensa discriminatória.

Confira a íntegra do documento clicando aqui.

Gostou? Compartilhe com as pessoas do seu trabalho.

Rafael Inácio de Souza Neto | Advogado de Di Ciero Advogados

Acompanhe Di Ciero Advogados também no Linkedin /dicieroadvogados